Incêndio enorme no porto de Beirute um mês após a explosão

0
256
Porto de Beirute

Um enorme incêndio deflagrou no Porto de Beirute. Uma espessa coluna de fumo negro levantou o pânico entre os residentes ainda traumatizados com a explosão catastrófica do mês passado, que aconteceu no mesmo local e matou quase 200 pessoas.

Não ficou claro o que causou o incêndio nas instalações, que foi dizimado pela explosão de 4 de Agosto, quando quase 3.000 toneladas de nitrato de amónio explodiram e enviaram uma onda de choque que causou danos generalizados e foi sentida tão longe como na ilha de Chipre.

O fumo escuro cobriu a capital na quinta-feira, quando helicópteros do exército pulverizaram água sobre as chamas cor-de-laranja saltando do solo. O exército libanês disse que o incêndio começou na zona franca do porto num armazém com contentores de pneus, petróleo e outros materiais inflamáveis.

Os residentes em pânico, ainda lutando para recuperar da explosão do mês passado, partiram janelas abertas, telefonaram e enviaram mensagens de texto uns aos outros para os avisarem do novo perigo. As estações de televisão locais disseram que as empresas que têm escritórios perto do porto pediram aos empregados que abandonassem a área.

A gente tentou esconder-se

Algumas esconderam-se nas casas de banho, enquanto outras deixaram o que estavam a fazer e apressaram-se a regressar a casa. “Abrimos todas as janelas e estamos agora mesmo no corredor”, disse Dana Awad, uma mãe de duas raparigas num bairro de Beirute, recordando o tremor que precedeu a explosão anterior. “Ainda estou a sentir a terra tremer. A viver um flashback”.

A maior explosão 

A detonação de 4 de Agosto matou 191 pessoas, feriu cerca de 6.500 e danificou milhares de edifícios. A explosão, que foi a mais destrutiva da história do Líbano, é imputada à negligência e má gestão do governo.

Houve especulações em Beirute de que o incêndio de quinta-feira poderia ser uma tentativa de destruir provas da explosão. O director do Porto de Beirute, Bassem al-Qaisi, disse à rádio Voice of Lebanon que o incêndio começou num armazém onde foram colocados barris de óleo de cozinha e mais tarde espalhados nas proximidades do local onde os pneus foram empilhados.

“É demasiado cedo para dizer qual foi a causa do incêndio, se foi o resultado de calor ou algum outro erro”, disse al-Qaissi acrescentando que o fumo negro era de pneus queimados. O pânico foi agravado pelo medo de que mais químicos pudessem estar nos escombros do porto. No início deste mês, o exército disse ter descoberto mais de 4 toneladas de nitrato de amónio em quatro contentores armazenados perto do porto que, segundo ele, foram “tratados”.

Peritos químicos franceses e italianos que trabalham no meio dos restos do porto identificaram mais de 20 contentores de produtos químicos perigosos. O exército disse mais tarde que estes contentores foram deslocados e armazenados em segurança, longe do porto.

Beirute Gov. Marwan Abboud e as autoridades indicaram as pessoas a afastarem-se das estradas que conduzem ao porto para permitir que os bombeiros se desloquem rapidamente. Foi o segundo incêndio no porto esta semana. Na terça-feira, um pequeno incêndio também criou algum pânico, mas foi rapidamente extinto.

Não podemos esquecer que há quase 1 mês Beirute tremeu e deixou feridos e mortos. Podes lembrar-te aqui, através do nosso artigo. 

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here