Este ano celebramos a pílula contracetiva, mas também um marco na história das mulheres para a liberdade

1
432
pílula contracetiva faz 60 anos
Fotografia: pexels.com

A pílula contracetiva fez 60 anos de idade este ano. É considerada um dos métodos contracetivos mais seguros.

Autorizada pela primeira vez nos Estados Unidos em 1960

O ano 1951 representou um marco histórico para o desenvolvimento da pílula contracetiva. Nesse ano, o cientista Carl Djerassi patenteou um derivado da hormona feminina corpus luteum como método contracetivo: a progesterona. O efeito contracetivo da progesterona já era conhecido, mas tomada oralmente, era rapidamente decomposta pelo corpo, tornando-a ineficaz. E, graças às modificações de Djerassi, o derivado da progesterona tornou-se eficaz, tomado igualmente por via oral.

É por isso que Carl Djerassi é considerado um dos “pais” da pílula. Naquela altura, a concentração hormonal era consideravelmente mais elevada do que atualmente. O mais importante é que o uso da pílula como método contracetivo hormonal foi autorizado pela primeira vez nos Estados Unidos em 1960.

A pílula ofereceu liberdade às mulheres

A novidade era que as mulheres podiam agora obter a libertação da vida sexual em relação à maternidade. Com o primeiro medicamento para pessoas saudáveis e por longos períodos de tempo, consegue-se um grande passo.

Foi um progresso inquestionável na procura da igualdade entre as mulheres e os homens, libertando-as da ligação difícil de quebrar entre a sexualidade e a gravidez. Por outras palavras, as mulheres conseguiram alcançar uma situação que até naquela altura era apenas o privilégio dos homens: exercer a sexualidade sem o risco de engravidar.

As mulheres conseguiram, finalmente, exercer a sua sexualidade

Desde então, os laboratórios têm trabalhado arduamente para criar uma variedade de versões mais seguras de contracetivos orais, com menos efeitos secundários. Em 1963, Hershel Smith sintetizou o gonan racemate norgestrel, a primeira síntese total de um gestágeno. Pouco tempo depois, a sua componente biologicamente ativa, o levonorgestrel, foi isolada.

A conclusão é que, nestes 60 anos, as mulheres conseguiram melhorar as suas expetativas no que diz respeito ao direito de decidir livremente e responsavelmente quantos filhos é que querem ter.

Outro artigo interessante podes encontra aqui.

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here